滕彪文集
[主页]->[独立中文笔会]->[滕彪文集]->[E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses ]
滕彪文集
·零八宪章十周年与改革开放四十年
·中国人权白皮书:仍强调“生存权”
·华为风暴中的人权与法律
·夢遊畫展 "Dream Wandering" Exhibition
·民運鬥士海波、滕彪 曼哈頓辦「夢游畫展」
·零八憲章十週年的回顧與意義
·中國古拉格/紀錄片
·声援佳士工人维权事件被抓捕的学生、热心公民及社会工作者联名信
·改革开放与经济奇迹的背后
·六四後北京加強監控 滕彪指現時離民主比1989年更遠
·Nearly 30 years after Tiananmen, China has tightened control
·紐約雅博國際藝術畫廊海波、滕彪博士《夢遊畫展》隆重開幕
·联国人权专家关注黄琦健康 维权人士斥无异慢性谋杀
·中国的完美独裁及其全球影响
·完美的獨裁:二十一世紀的中國
·Chinese rights lawyer fires his own state-appointed lawyer in a dramat
·美中建交40年 面臨前所未有轉捩點
·中国审查蔓延美国硅谷 八九学运前领袖领英帐号一度被封杀
·新疆模式扩展 阿拉伯文化成打击目标
·7位值得你关注的人权网红
·问题疫苗何时了
·CALL ON CHINA TO IMMEDIATELY RELEASE UYGHUR PROFESSOR ILHAM TOHTI 5YEA
·中共判加拿大人死刑 能换回孟晚舟吗?
·The fight for Chinese rights
·傀儡、盗贼和帮凶:最高人民法院的三张面孔
·法学教授遭举报,中共清查宪法学教材
·2018年中共对宗教的压迫
·习近平的反法律战争
·安排「中国商人」会见桂民海女儿 瑞典驻华大使丢职回国受查
·美中关系紧张是中国公关问题吗?
·中共官員要西方民主改革 網友:最佳笑話
·瑞典前驻华大使安排桂民海女儿与华商会面遭调查
·媒体审判与审判媒体
·紀錄片:中國的電視認罪
·国会听证会:全球威权崛起
·video:Congressional Hearing on Rise of Authoritarianism
·引渡听证加拿大,晚舟沉浮 雾锁美中起落?
·三个人的“人大”:申纪兰、姚立法与唐荆陵
·李克强求稳 华为反击 美中贸易休战无期?
·Should America Tackle All Authoritarian Governments?
·National security experts warn of rise in authoritarianism
·Explaining China’s ‘People’s Congress’ Through the Tales of Three
·致敬开启中国违宪审查首案的滕彪、许志永和俞江博士
·形形色色的黑监狱
·Human Rights Lawyer Teng Biao/Total Prestige Magazine
·中国反腐模式是制度失败的产物
·时事大家谈:敢言学者许章润遭撤职,习近平欲令天下无声?
·Open Recommendation to Conduct Constitutional Review on the “Law of t
·Xi's war on thought
·China's enforced disappearance
·教授因言获罪 学生告密 中国离文革有多远?
·中欧人权对话欧盟提出释放名单 中方取消与非政府组织的对话
·The Shadow of the “China Miracle”
·中国维权运动的起起落落 (上)
·如果张扣扣案发生在美国/VOA
·「人权观察」报告揭新疆公安用手机APP全方位监控穆斯林
·西方企业乃中共「高科技极权」帮凶
·不在場的倖存者 用維權記住六四
·北京的网络监控审查与西方公司的协助/VOA
·滕彪(下):维权运动的“政治化” 和“非政治化”
·中国黑监狱大观
·新疆维稳模式蔓延世界 引发人权担忧
·谢伦伯格和孟晚舟案的关联,死与不死,是个问题
·President Xi’s Effort To Remake Chinese Society
·国际刑警组织前主席孟宏伟的妻儿获法国政治庇护
·中共撕毁一国两制香港没抗争沦陷得更快
·天安門屠殺與高科技極權主義
·极权主义转型之路 中共学到什么?
·精神上的六四倖存者滕彪 投入維權終不悔
·你掉到黑洞就出不來
·特朗普会撼动北京高科技极权的牙齿吗?
·特朗普会撼动北京高科技极权的牙齿吗?
·Taiwanese President Tsai Ing-wen says Tiananmen crackdown highlights n
·台总统蔡英文会见中国异见人士
·六四临近30周年之际 台湾强调捍卫自身民主
·背靠中共助纣为虐,外企帮习近平建立暴政统治!
·Taiwan's President Meets With Tiananmen Massacre Veterans Ahead of Ann
·西藏团体与中国维权律师在印北达兰萨拉一同纪念六四屠杀
·在政治文明与公民社会方面中国应向藏人学习
· Avec le massacre de Tiananmen, le Parti communiste chinois a promu l
·China Since Tiananmen: Not a Dream but a Nightmare
·Teng Biao – His Tiananmen Awakening
·六四三0
·八九六四與西藏問題/專訪滕彪
·天安门屠杀与集中营
·What It's Like To Live With A Foot In China, Another In The U.S.
·E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses
·China Since Tiananmen: Not a Dream but a Nightmare
·How the Tiananmen Square Massacre Changed China Forever
·Human Rights Lawyer Fled China But Still Feels Its Influence
·HOW HAS CHINA CHANGED POLITICALLY SINCE THE ICONIC STUDENT PROTESTS?
·六四30周年 陸民運人士盼世界助中國民主化
·貿易掛鉤中國人權 西方提聯合戰略
·蔡英文總統會見華人民主書院訪賓
·習近平体制は史上初のハイテク・ファシズム
·Remembering Tiananmen/Straits Times
·自由不是一個禮物,而是一個任務
·世界における民主主義の後退と市民社会
·中國流亡律師滕彪勉「反送中」別退卻
·中國當局拒延維權律師的執照/BBC
·打到中共要害 各國應效仿
[列出本栏目所有内容]
欢迎在此做广告
E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses

https://observador.pt/especiais/e-se-tiananmen-fosse-agora-entrevista-a-quatro-ativistas-chineses/
   
   E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses
   
   Voltar ao índice

   
   Teng Biao, o homem que foi torturado por defender casos em tribunal
   é uma voz muito suave, num tom baixo, que se ouve quando alguém atende o telefone do outro lado. “Obrigado por ter ligado”, diz Teng Biao, simplesmente. é tarde em Taiwan, onde está temporariamente, mas isso não o impede de fazer à mesma a entrevista por telefone. A partir de Nova Jérsia (EUA), onde vive atualmente, Teng Biao tem aproveitado todos os momentos para denunciar as violações de direitos humanos que ocorrem na China de hoje — uma situação que, crê, piorou e muito com a chegada ao poder de Xi Jinping. Em abril de 2018, escreveu um artigo onde deixou claro o que pensa: “O novo totalitarismo de Xi Jinping e o velho estilo de totalitarismo de Mao não diferem assim tanto”, declarou.
   
   Não é para menos se se tiver em conta aquilo por que Teng Biao passou, a nível pessoal. Advogado, defendeu gente conhecida como o colega “descalço”, Chen Guangcheng. Mas defendeu também gente anónima e quase proscrita na sociedade chinesa: um trabalhador migrante, separatistas do Tibete, muçulmanos Uyghur e ativistas que pediam proteção para os doentes com VIH. Ao mesmo tempo, sempre se manteve uma voz política: nas aulas que dava, nos artigos que publicava, no facto de ter assinado o manifesto 08 de Liu Xiaobo.
   
   
   Teng Biao vive atualmente em Nova Jérsia, nos Estados Unidos (D.R. TENG BIAO)
   
   Mas as repercussões chegaram, e com toda a força. Primeiro foi suspenso de dar aulas na Universidade de Política e Direito de Pequim, por três vezes. Em 2008 foi-lhe retirada a licença para exercer como advogado. Pouco depois, viria a força bruta: um dia, puseram-lhe um capuz a tapar a cara e levaram-no à força para um lugar que não sabe onde fica. Em 2011 seria novamente detido. Esteve 70 dias em isolamento. Após ser libertado, foi dar aulas para Hong Kong, na esperança de que ali não teria de olhar por cima do ombro tantas vezes. Só que a repressão generalizada em 2015, quando 300 advogados de direitos humanos e ativistas foram detidos, insuflaram o medo em Teng Biao, que decidiu abandonar a China.
   
   é por isso que, garante ao Observador, a situação vai piorar antes de melhorar. Mas a única opção que lhe resta, diz, é continuar a tentar. Tal como fizeram os sobreviventes de Tiananmen, que o inspiraram quando era um jovem estudante de Direito.
   
   Como e porque se tornou advogado de direitos humanos?
   Antes de ir para a Universidade, eu tinha sido vítima de uma espécie de lavagem cerebral. Foi só quando fui para a Universidade de Pequim e conheci professores pró-democracia que as coisas começaram a mudar. Tive a oportunidade de ler publicações clandestinas e de ouvir falar do massacre de Tiananmen. é preciso também dizer que fui muito influenciado pela geração de dissidentes de Tiananmen.
   Aos poucos, comecei a aceitar que a democracia liberal era o melhor sistema. Foi depois de tirar o meu doutoramento e de começar a dar aulas em Pequim que passei a trabalhar como advogado. Aí, comecei a defender vários casos de direitos humanos, a defender sobretudo os promotores do movimento democrático. Os direitos humanos são muito, muito importantes, mas na China praticamente não existem. Não há qualquer respeito pelos direitos humanos e é muito importante que alguém os defenda.
   
   Foi advogado do Cheng Guangcheng, mas também de pessoas menos famosas: ativistas do Tibete, de minorias religiosas como a Falun Gong… Porque aceitou defender estas pessoas, sabendo que o julgamento provavelmente não seria livre?
   Na China não há qualquer independência judicial, nem julgamentos livres. Os juízes não podem tomar uma decisão individual nos casos. Portanto, para além da defesa em tribunal, nós tentamos organizar campanhas públicas, montamos atividades de rua e manifestações. às vezes planeamos greves de fome. Mas, na maior parte dos casos, não temos qualquer hipótese de ganhar, porque o governo controla o processo. Só que, através destes casos, ao longo do tempo vamos reunindo mais e mais apoio das pessoas normais, da sociedade. O movimento pelos direitos humanos tem-se desenvolvido ao longo dos últimos 15 anos, o que é incrível num regime tão repressivo. Mas esta é também a razão que está por detrás da repressão do governo.
   Em geral, acreditamos que a defesa dos direitos humanos é importante, mas o Estado de Direito é impossível na China. é por isso que queremos avançar com a democratização, porque será uma forma de avançar com o movimento dos direitos humanos também. Só quando a China for democrática é que os direitos humanos dos chineses serão totalmente protegidos. Não é possível protegê-los num sistema de partido único. é necessário alterar a estrutura política, alterar o sistema.
   
   Foi detido, esteve preso, foi torturado. Por que razão um advogado se torna alvo de tamanha repressão?
   Comecei por ser ameaçado de várias formas por causa do meu trabalho, bem como os meus artigos a criticar o governo e o Partido Comunista Chinês. Primeiro proibiram-me de dar aulas e depois acabei por ser despedido da Universidade. Confiscaram o meu passaporte. Depois fui colocado em prisão domiciliária. Por fim, fui detido. Deixaram-me em isolamento e, mais tarde, fui torturado.
   As ameaças a perseguição foram aumentando de tom ao longo do tempo porque eu nunca parei. Continuei sempre a trabalhar na área dos direitos humanos e isso enfureceu o governo. Queriam silenciar-me e travar-me, mas eu nunca parei.
   
   E quando é que decidiu sair da China?
   No final de 2013 vários dos meus colegas, advogados de direitos humanos, foram detidos. à altura eu estava a dar aulas em Hong Kong e tornou-se muito óbvio que, se regressasse à China continental, seria detido, julgado e condenado. Foi então que recebi uma proposta de bolsa da Harvard Law School e fui para os EUA em setembro de 2014. Mais tarde, o governo chinês prendeu vários advogados de direitos humanos, em 2015. Houve repressão sobre ativistas, grupos religiosos e cerca de 20 universidades, foi uma repressão bastante abrangente na sociedade. Tendo em conta isso, senti que não podia voltar à China.
   
   
   Teng Biao testemunhou perante o Congresso norte-americano a situação dos direitos humanos na China (NICHOLAS KAMM/AFP/Getty Images)
   
   Trinta anos depois do massacre de Tiananmen, diria que o Estado chinês está mais ou menos repressivo agora? Por outras palavras, hoje em dia é mais fácil ou mais difícil ser um ativista na China?
   Muitos académicos têm questionado esta noção da China como um Estado autoritário. A China é um Estado totalitário, não é um agente simplesmente autoritário. Desde que Xi Jinping chegou ao poder, em 2012, que os direitos humanos têm sido travados e que têm sido cometidas atrocidades. Muitos ativistas continuam o seu trabalho em defesa dos direitos humanos, mas o risco é mais elevado do que nunca. Acho que com Xi Jinping, o governo não vai parar. Temo que muitos ativistas serão presos nos próximos anos. A comunidade dos direitos humanos na China enfrenta um momento muito difícil e precisamos da ajuda e do apoio da comunidade internacional.
   
   "O problema é que, através de uma política de apaziguamento, os países ocidentais dão prioridade aos negócios e preocupam-se menos com os direitos humanos e com a democracia. Várias empresas ocidentais aceitaram a censura chinesa, alteram os seus softwares para que o governo chinês aperte o controlo à sociedade. Gostava muito que as empresas ocidentais revissem a sua atitude."
   Teng Biao, advogado de direitos humanos
   Tem esperança de que a situação venha a mudar? E o que acha que pode ser mais eficaz a conseguir uma mudança: a pressão internacional ou o trabalho dos ativistas chineses, dentro e fora do país?

[下一页]
blog comments powered by Disqus

©Boxun News Network All Rights Reserved.
所有栏目和文章由作者或专栏管理员整理制作,均不代表博讯立场