滕彪文集
[主页]->[独立中文笔会]->[滕彪文集]->[E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses ]
滕彪文集
·A Chinese activist: Out of prison but not free
·中国人权有进步吗?
·Activist lawyer vows to keep fighting for human rights
·高智晟:走出监狱却没有自由
·VOA时事大家谈:维权/维稳
·和平香港行動呼籲
·沉默的吶喊
·Head Off a Tiananmen Massacre in Hong Kong/Yang jianli,Teng Biao,Hu ji
·滕彪被中国政法大学除名 因参与新公民运动
· Ilham Tohti should get the Nobel peace prize, not life in prison
·受难的伊力哈木
·香港人不会接受一个假选举
· Chinese activist scholar Teng Biao on how Occupy Central affects main
·大陆法律人关于支持港人真普选和释放大陆声援公民的声明
·« Révolution des parapluies » contre Pékin / Teng biao
·We Stand With You
·从占领中环到伞花革命
·不可承受的革命之重
·中国维权运动的历史和现状
·Don’t Get Too Excited About the Investigation of Zhou Yongkang
·Sensing subversion, China throws the book at kids' libraries
·China’s Unstoppable Lawyers: An Interview With Teng Biao
·专访滕彪:中国那些百折不回的律师们/纽约书评
·法治還是匪治
·努力实现匪治
·Hongkong: the Unbearable Weight of the Revolution
·Courts are told what decision to make in important cases
·RISKY BUSINESS fighting for Human Rights in China
·藏族、維吾爾族、南(内)蒙古族以及漢族活動人士的聯合聲明
·A STATEMENT OF SOLIDARITY FROM A TIBETAN, UYGHUR, SOUTHERN MONGOLIAN,
·The Supremacy of the Constitution, and Freedom of Religion
·如果有人倾听你对 昨夜梦境的复述(诗四首)
·China’s Empty Promise of Rule by Law
·Sensing subversion, China throws the book at kids' libraries
·VOA时事大家谈:中国司法不独立,如何进行司法改革?
·VOA时事大家谈:通奸女官员被“游街”:罪有应得还是侵犯人权?
·滕彪:中共“依法治国”的画皮
·What will this crackdown on activists do to China’s nascent civil soc
·浦志强、滕彪:李保华诉周国平名誉权纠纷案代理词
·The most dangerous job in law
·关于撤销《黑龙江省垦区条例》的建议
·Selective Blindness over China and Huamn Rights
·中共体制是一个不定时的炸弹/VOA
·滕彪在伦敦闹市被打劫
·「西方學者自我審查問題嚴重」/BBC
·CHINA'S LONG ROAD TO DEATH PENALTY REFORM
·Blood, Justice and Corruption: Why the Chinese Love Their Death Penalt
·完善我国宪法人权保护条款的建议
·计生基本国策是完全错误的
·死刑作為政治籌碼
·Human Rights Advocates Vanish as China Intensifies Crackdown/NYT
·学者滕彪等人探望基督徒母亲被殴打/RFA
·‘Did We Stand on the Side of Tank Man?’
·The Quest to Save the World's Scholars From Persecution and Death
·北京准备出手整肃海内外NGO与学术界
·时事大家谈:中国新国安法,党国不分?
·Comments on the draft law on Foreign NGO Management
·评《境外非政府组织管理法》和《国家安全法》草案
·《回到革命》亮相香港书展
·China is moving toward a new totalitarianism
·Uncivil/ The Economist
·《回到革命》编选说明、封面设计说明
·习近平为何清洗人权律师
·Why Xi Jinping is Purging China’s Human Rights Lawyers
·CCP party has an exaggerated fear of a color revolution
·維權律師享受和集權者鬥爭樂趣
·Toast at the Stateless Breakfast
·"China é responsável por 90% das execuções mundiais"
·敗訴多於勝訴的名律師(上)
·敗訴多於勝訴的名律師(下)
·China's international relations at a time of rising rule of law challe
·Seven Chinese activists wrote to the Dutch King
·七名中国民主人士致信荷兰国王
·專訪維權律師滕彪對中國法治人權的解讀
·中共的政治株连
·Dictatorship is a Decapitator, Whether it Tortures You or Treats You W
·Innocence project movement in China rises to aid the wrongfully convic
·好處沙龍【選後台灣如何面對中國巨變】
·“你恐惧,中共的目的就达到了”
·SOME QUESTIONS FOR PRESIDENT OBAMA TO ASK PRESIDENT XI
·Book Debate Raises Questions of Self-Censorship by Foreign Groups in C
·Leaked Email: ABA Cancels Book for Fear of ‘Upsetting the Chinese Gov
·Is the ABA Afraid of the Chinese Government?
·Middle way should not be the only voice: Chinese activist to Tibetans
·Middle way not the only way for Tibet, says Chinese rights lawyer
·被曝光的电邮:怕惹恼北京美国律师协会取消出版《黎明前的黑暗》
·美律协违约拒为滕彪出书 国会要求解释
·高智晟:ABA和滕彪哪個更應該強大
·Lawmakers Pounce After ABA Scraps Book by China Rights Lawyer
·American Self-Censorship Association/WSJ
·An interview with China’s foremost rights lawyer Dr Teng Biao
·纽约时报:中国律师新书命运引发在华NGO自我审查争议
·Is China Returning to the Madness of Mao’s Cultural Revolution?
·The Conundrum of Compromise/Robert Precht
·Congress Still Calling Out ABA Over Canceled Book Deal
·No country for academics: Chinese crackdown forces intellectuals abroa
·中共血債大於其他專制國家
·江绪林之死反映中国知识分子精神痛苦唯有自杀寻求解脱
·"THERE WILL ALWAYS BE SOME BRAVE ACTIVISTS WHO REFUSE TO KEEP QUIET"
·“你们全家都是共产党员!”
·滕彪和江天勇获第25届杰出民主人士奖
[列出本栏目所有内容]
欢迎在此做广告
E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses

https://observador.pt/especiais/e-se-tiananmen-fosse-agora-entrevista-a-quatro-ativistas-chineses/
   
   E se Tiananmen fosse agora? Entrevista a quatro ativistas chineses
   
   Voltar ao índice

   
   Teng Biao, o homem que foi torturado por defender casos em tribunal
   é uma voz muito suave, num tom baixo, que se ouve quando alguém atende o telefone do outro lado. “Obrigado por ter ligado”, diz Teng Biao, simplesmente. é tarde em Taiwan, onde está temporariamente, mas isso não o impede de fazer à mesma a entrevista por telefone. A partir de Nova Jérsia (EUA), onde vive atualmente, Teng Biao tem aproveitado todos os momentos para denunciar as violações de direitos humanos que ocorrem na China de hoje — uma situação que, crê, piorou e muito com a chegada ao poder de Xi Jinping. Em abril de 2018, escreveu um artigo onde deixou claro o que pensa: “O novo totalitarismo de Xi Jinping e o velho estilo de totalitarismo de Mao não diferem assim tanto”, declarou.
   
   Não é para menos se se tiver em conta aquilo por que Teng Biao passou, a nível pessoal. Advogado, defendeu gente conhecida como o colega “descalço”, Chen Guangcheng. Mas defendeu também gente anónima e quase proscrita na sociedade chinesa: um trabalhador migrante, separatistas do Tibete, muçulmanos Uyghur e ativistas que pediam proteção para os doentes com VIH. Ao mesmo tempo, sempre se manteve uma voz política: nas aulas que dava, nos artigos que publicava, no facto de ter assinado o manifesto 08 de Liu Xiaobo.
   
   
   Teng Biao vive atualmente em Nova Jérsia, nos Estados Unidos (D.R. TENG BIAO)
   
   Mas as repercussões chegaram, e com toda a força. Primeiro foi suspenso de dar aulas na Universidade de Política e Direito de Pequim, por três vezes. Em 2008 foi-lhe retirada a licença para exercer como advogado. Pouco depois, viria a força bruta: um dia, puseram-lhe um capuz a tapar a cara e levaram-no à força para um lugar que não sabe onde fica. Em 2011 seria novamente detido. Esteve 70 dias em isolamento. Após ser libertado, foi dar aulas para Hong Kong, na esperança de que ali não teria de olhar por cima do ombro tantas vezes. Só que a repressão generalizada em 2015, quando 300 advogados de direitos humanos e ativistas foram detidos, insuflaram o medo em Teng Biao, que decidiu abandonar a China.
   
   é por isso que, garante ao Observador, a situação vai piorar antes de melhorar. Mas a única opção que lhe resta, diz, é continuar a tentar. Tal como fizeram os sobreviventes de Tiananmen, que o inspiraram quando era um jovem estudante de Direito.
   
   Como e porque se tornou advogado de direitos humanos?
   Antes de ir para a Universidade, eu tinha sido vítima de uma espécie de lavagem cerebral. Foi só quando fui para a Universidade de Pequim e conheci professores pró-democracia que as coisas começaram a mudar. Tive a oportunidade de ler publicações clandestinas e de ouvir falar do massacre de Tiananmen. é preciso também dizer que fui muito influenciado pela geração de dissidentes de Tiananmen.
   Aos poucos, comecei a aceitar que a democracia liberal era o melhor sistema. Foi depois de tirar o meu doutoramento e de começar a dar aulas em Pequim que passei a trabalhar como advogado. Aí, comecei a defender vários casos de direitos humanos, a defender sobretudo os promotores do movimento democrático. Os direitos humanos são muito, muito importantes, mas na China praticamente não existem. Não há qualquer respeito pelos direitos humanos e é muito importante que alguém os defenda.
   
   Foi advogado do Cheng Guangcheng, mas também de pessoas menos famosas: ativistas do Tibete, de minorias religiosas como a Falun Gong… Porque aceitou defender estas pessoas, sabendo que o julgamento provavelmente não seria livre?
   Na China não há qualquer independência judicial, nem julgamentos livres. Os juízes não podem tomar uma decisão individual nos casos. Portanto, para além da defesa em tribunal, nós tentamos organizar campanhas públicas, montamos atividades de rua e manifestações. às vezes planeamos greves de fome. Mas, na maior parte dos casos, não temos qualquer hipótese de ganhar, porque o governo controla o processo. Só que, através destes casos, ao longo do tempo vamos reunindo mais e mais apoio das pessoas normais, da sociedade. O movimento pelos direitos humanos tem-se desenvolvido ao longo dos últimos 15 anos, o que é incrível num regime tão repressivo. Mas esta é também a razão que está por detrás da repressão do governo.
   Em geral, acreditamos que a defesa dos direitos humanos é importante, mas o Estado de Direito é impossível na China. é por isso que queremos avançar com a democratização, porque será uma forma de avançar com o movimento dos direitos humanos também. Só quando a China for democrática é que os direitos humanos dos chineses serão totalmente protegidos. Não é possível protegê-los num sistema de partido único. é necessário alterar a estrutura política, alterar o sistema.
   
   Foi detido, esteve preso, foi torturado. Por que razão um advogado se torna alvo de tamanha repressão?
   Comecei por ser ameaçado de várias formas por causa do meu trabalho, bem como os meus artigos a criticar o governo e o Partido Comunista Chinês. Primeiro proibiram-me de dar aulas e depois acabei por ser despedido da Universidade. Confiscaram o meu passaporte. Depois fui colocado em prisão domiciliária. Por fim, fui detido. Deixaram-me em isolamento e, mais tarde, fui torturado.
   As ameaças a perseguição foram aumentando de tom ao longo do tempo porque eu nunca parei. Continuei sempre a trabalhar na área dos direitos humanos e isso enfureceu o governo. Queriam silenciar-me e travar-me, mas eu nunca parei.
   
   E quando é que decidiu sair da China?
   No final de 2013 vários dos meus colegas, advogados de direitos humanos, foram detidos. à altura eu estava a dar aulas em Hong Kong e tornou-se muito óbvio que, se regressasse à China continental, seria detido, julgado e condenado. Foi então que recebi uma proposta de bolsa da Harvard Law School e fui para os EUA em setembro de 2014. Mais tarde, o governo chinês prendeu vários advogados de direitos humanos, em 2015. Houve repressão sobre ativistas, grupos religiosos e cerca de 20 universidades, foi uma repressão bastante abrangente na sociedade. Tendo em conta isso, senti que não podia voltar à China.
   
   
   Teng Biao testemunhou perante o Congresso norte-americano a situação dos direitos humanos na China (NICHOLAS KAMM/AFP/Getty Images)
   
   Trinta anos depois do massacre de Tiananmen, diria que o Estado chinês está mais ou menos repressivo agora? Por outras palavras, hoje em dia é mais fácil ou mais difícil ser um ativista na China?
   Muitos académicos têm questionado esta noção da China como um Estado autoritário. A China é um Estado totalitário, não é um agente simplesmente autoritário. Desde que Xi Jinping chegou ao poder, em 2012, que os direitos humanos têm sido travados e que têm sido cometidas atrocidades. Muitos ativistas continuam o seu trabalho em defesa dos direitos humanos, mas o risco é mais elevado do que nunca. Acho que com Xi Jinping, o governo não vai parar. Temo que muitos ativistas serão presos nos próximos anos. A comunidade dos direitos humanos na China enfrenta um momento muito difícil e precisamos da ajuda e do apoio da comunidade internacional.
   
   "O problema é que, através de uma política de apaziguamento, os países ocidentais dão prioridade aos negócios e preocupam-se menos com os direitos humanos e com a democracia. Várias empresas ocidentais aceitaram a censura chinesa, alteram os seus softwares para que o governo chinês aperte o controlo à sociedade. Gostava muito que as empresas ocidentais revissem a sua atitude."
   Teng Biao, advogado de direitos humanos
   Tem esperança de que a situação venha a mudar? E o que acha que pode ser mais eficaz a conseguir uma mudança: a pressão internacional ou o trabalho dos ativistas chineses, dentro e fora do país?

[下一页]
blog comments powered by Disqus

©Boxun News Network All Rights Reserved.
所有栏目和文章由作者或专栏管理员整理制作,均不代表博讯立场