滕彪文集
[主页]->[独立中文笔会]->[滕彪文集]->["China é responsável por 90% das execuções mundiais"]
滕彪文集
·纽约时报社评:中国的爱国小将们
·回网友四书
·我们都来关注滕彪博士/王天成
·暴力带不来和平,恐怖建不成和谐——就滕彪、李和平事件感言/王德邦
·让滕彪回家、追究国保撞车肇事的法律责任、还被监控公民自由/维权网
·刘晓波:黑暗权力的颠狂——有感于滕彪被绑架
·Article 37 of the PRC Law on Lawyers: A New Trap Set for Lawyers
·Chinese lawyer missing after criticising human rights record
·Chinese Lawyer Says He Was Detained and Warned on Activism
·For Chinese activists, stakes are raised ahead of the Olympics
·To my wife, from jail/Teng Biao
·Beijing Suspends Licenses of 2 Lawyers Who Offered to Defend Tibetans in Court
·National Endowment for Democracy 2008 Democracy Awards
·获奖感言
·司法与民意——镜城突围
·Rewards and risks of a career in the legal system
·太离谱的现实感
·35个网评员对“这鸡蛋真难吃”的不同回答(转载加编辑加原创)
·Dissonance Strikes A Chord
·顺应历史潮流 实现律协直选——致全体北京律师、市司法局、市律协的呼吁
·但愿程序正义从杨佳案开始/滕彪 许志永
·维权的计算及其他
·我们对北京律协“严正声明”的回应
·网络言论自由讨论会会议纪要(上)
·网络言论自由讨论会会议纪要(下)
·Well-Known Human Rights Advocate Teng Biao Is Not Afraid
·法眼冷对三鹿门
·北京律师为自己维权风暴/亚洲周刊
·胡佳若获诺贝尔奖将推动中国人权/voa
·奥运后的中国人权
·Chinese Activist Wins Rights Prize
·我无法放弃——记一次“绑架”
·认真对待出国权
·毒奶粉:谁的危机?
·不要制造聂树斌——甘锦华抢劫案的当庭辩护词
·“独立知识分子”滕彪/刘溜
·经济观察报专访/滕彪:让我们不再恐惧
·人权:从理念到制度——纪念《世界人权宣言》60周年
·公民月刊:每一个人都可能是历史的转折点
·抵制央视、拒绝洗脑
·公民在行动
·Charter of Democracy
·阳光茅老
·中国“黑监狱”情况让人担忧/路透社
·《关于取缔黑监狱的建议》
·用法律武器保护家园——青岛市河西村民拆迁诉讼代理词
·关于改革看守所体制及审前羁押制度的公民建议书
·仅仅因为他们说了真话
·再审甘锦华 生死仍成谜
·邓玉娇是不是“女杨佳”?
·星星——为六四而作
·I Cannot Give Up: Record of a "Kidnapping"
·Political Legitimacy and Charter 08
·六四短信
·倡议“5•10”作为“公民正当防卫日”
·谁是敌人——回"新浪网友"
·为逯军喝彩
·赠晓波
·正义的运动场——邓玉娇案二人谈
·这六年,公盟做了什么?
·公盟不死
·我们不怕/Elena Milashina
·The Law On Trial In China
·自由有多重要,翻墙就有多重要
·你也会被警察带走吗
·Lawyer’s Detention Shakes China’s Rights Movement
·我来推推推
·许志永年表
·庄璐小妹妹快回家吧
·开江县法院随意剥夺公民的辩护权
·Summary Biography of Xu Zhiyong
·三著名行政法学家关于“公盟取缔事件”法律意见书
·公益诉讼“抑郁症”/《中国新闻周刊》
·在中石化上访
·《零八宪章》与政治正当性问题
·我来推推推(之二)
·我来推推推(之三)
·國慶有感
·我来推推推(之四)
·国庆的故事(系列之一)
·国庆的故事(系列之二)
·
·我来推推推(之五)
·我来推推推(之六)
·净空(小说)
·作为反抗的记忆——《不虚此行——北京劳教调遣处纪实》序
·twitter直播-承德冤案申诉行动
·我来推推推(之七)
·关于我的证言的证言
·我来推推推(之八)
·不只是问问而已
·甘锦华再判死刑 紧急公开信呼吁慎重
·就甘锦华案致最高人民法院死刑复核法官的紧急公开信
·我来推推推(之九)
·DON’T BE EVIL
·我来推推推(之十)
·景德镇监狱三名死刑犯绝食吁国际关注
·江西乐平死刑冤案-向最高人民检察院的申诉材料
·我来推推推(之十一)
·法律人的尊严在于独立
·我来推推推(之十二)
[列出本栏目所有内容]
欢迎在此做广告
"China é responsável por 90% das execuções mundiais"

"China é responsável por 90% das execuções mundiais"
   
   http://www.cartacapital.com.br/internacional/201cchina-e-responsavel-por-cerca-de-90-das-execucoes-em-todo-mundo201d-alerta-ativista-8593.html
   
   Para ativista Teng Biao, direitos sociais devem ser valorizados, mas não se sobrepor aos direitos humanos como busca o Estado chinês

   
    por Marsílea Gombata — publicado 19/10/2013 09h49, última modificação 19/10/2013 19h31
   
   Teng Biao, diretor da China Against Death Penalty
   
   
   Leia também
   
   Uma nova reformulação na China?
   
   Para a esquerda, Brics são caminho para contrapor os EUA
   
   
   
   No país onde ocorrem cerca de 90% das execuções perpetradas pelo Estado em todo o mundo todos os anos, o conceito universal de direitos humanos é parcamente difundido. Parte desta situação, explica o advogado Teng Biao, diretor da ONG China Against Death Penalty, deve-se à incansável propaganda do governo chinês. “O governo enfatiza os direitos sociais. Então, a coisa mais importante no que diz respeito a direitos humanos para o governo chinês é o direito à sobrevivência. Por isso, nega-se a aceitar os direitos políticos, como a liberdade de expressão ou religião, ou o direito de participar da política”, observa em entrevista a CartaCapital.
   
   Para endossar a posição "contrária" aos direitos humanos, Teng conta, o Estado busca combater a ideia de maiores liberdades individuais com o discurso de que tais reivindicações são “direitos humanos do capitalismo”. “O problema é que o povo chinês não consegue ter acesso à informação sobre democracia, direitos humanos, à história. Então, muitos pensam o que o governo está disposto a fazê-los pensar”, explica o ativista que leciona na faculdade de direito da Universidade Chinesa de Hong Kong.
   
   Em São Paulo para o XIII Colóquio Internacional de Direitos Humanos, organizado pela Conectas Direitos Humanos, nesta semana, Teng afirmou ainda que o Estado chinês tem cinco inimigos dentro de própria sociedade: advogados de direitos humanos, religiões clandestinas, dissidentes democráticos, intelectuais que são celebridades na internet e a classe mais pobre. “Estamos vendo o processo de democratização em curso na China. As pessoas sofrerão e irão para a cadeia, mas ninguém pode parar esse processo, ninguém pode impedir as pessoas de lutarem pelos direitos humanos e pelo Estado de direito.”
   
   Confira os principais trechos da entrevista:
   
   CartaCapital - Como funciona a China Against Death Penalty?
   
   Teng Biao - Eu fundei a China Against Death Penalty três anos atrás. Funciona como uma rede na sociedade civil, com um grupo de advogados de direitos humanos que trata de casos de pena de morte. Fazemos conferências e também elaboramos relatórios.
   
   CC - Como é a legislação de pena de morte hoje na China?
   
   TB - A China é responsável por cerca de 90% das execuções em todo mundo anualmente. Antes do fim da Revolução Cultural não tínhamos nenhum código penal e as sentenças de execução eram muito arbitrárias. Em 1979, com o primeiro código, houve muitas execuções. Modificamos nossa legislação criminal em 1997, mas o problema da pena de morte ainda continua extremamente sério na China.
   
   E, de acordo com essa legislação criminal, nós temos 68 crimes que podem levar à pena de morte. Vinte e quatro deles são crimes violentos, enquanto 44 são não violentos. Dentre os violentos estão assassinato, estupro, latrocínio. E exemplos de crimes não violentos são tráfico de drogas, corrupção e alguns crimes comerciais. Em 2007, a Suprema Corte Popular reviu casos de pena morte. Antes de 2007, o número de execuções anuais na China girava em torno de 10 mil. Depois disso, o número está diminuindo, mas as estatísticas de sentenças de pena de morte, as execuções, são segredo de Estado.
   
   CC - Então não sabemos o número exato de pessoas executadas anualmente na China?
   
   TB - Não sabemos exatamente, mas temos uma estimativa de que sejam 6 mil por ano, o que ainda é alto. Temos a taxa de execução dez vezes maior do que outros países do mundo.
   
   CC - Quais as propostas em torno da reforma da legislação de pena de morte hoje na China?
   
   TB – Bem, esse é um tema um pouco complicado. A principal razão é, em parte, pela pressão internacional, e, em parte, pela doméstica. Nós focamos apenas em tipos especiais de casos de pena de morte. Existem muitos casos de sentença de pena de morte. Os nossos membros e participantes são muito limitados, então não conseguimos focar em todos os casos. O sistema judiciário chinês está muito defasado, não há nenhum tipo de independência judicial, a obtenção de provas e os direitos dos advogados de defesa sempre foram ignorados. O resultado acaba sendo de muitas sentenças erradas de pena de morte.
   
   CC - Quais as principais vítimas da pena de morte na China? Existe algum grupo específico, como os migrantes chineses?
   
   TB - Não tenho visto evidências de grupos ou classes de vítimas. Mas na maioria dos países, talvez em todos eles, as vítimas da pena de morte são sempre das classes sociais mais pobres.
   
   CC - No Ocidente, falamos muito de direitos humanos e de como a China desrespeita essa questão. O que são, afinal, direitos humanos na China? O conceito é diferente?
   
   TB - Bem, acredito que o conceito de direitos humanos é simples e deveria ser universal. São os direitos do homem, direitos básicos de todos, incluindo os direitos políticos, religiosos, sociais, culturais. Mas na China isso se tornou complicado porque a propaganda do governo enfatiza os direitos sociais. Então, a coisa mais importante no que diz respeito a direitos humanos para o governo chinês é o direito à sobrevivência. Por isso, o governo se nega a aceitar os direitos políticos, como a liberdade de expressão ou religião, ou o direito de participar da política. É interessante que esse conceito de direitos humanos tomou legitimidade apenas depois de 2004, quando acrescentamos um artigo na Constituição [determinando] que o Estado deve respeitar e proteger os direitos humanos. Antes disso, esse conceito era muito frágil. Mas quando acadêmicos e jornalistas falam de direitos humanos, eles nos dizem que os direitos humanos pertencem ao capitalismo ocidental. Não são direitos humanos verdadeiros, mas falsos direitos humanos do capitalismo.
   
   CC - Existe uma confusão entre direitos sociais e direitos humanos na China?
   
   TB - O problema é que o povo chinês não consegue ter acesso à informação sobre democracia, direitos humanos, à história. Então, muitos pensam o que o governo está disposto a fazê-los pensar. Eles têm medo de falar de direitos políticos, de democracia. E, na realidade, é perigoso mesmo você falar sobre Tibete, Falun Gong e direitos políticos.
   
   CC - Quem são os inimigos do Estado chinês, aos olhos dele?
   
   TB - É interessante, mas no ano passado, fizemos um artigo ranqueando cinco inimigos atuais do Estado chinês na nossa própria sociedade: advogados de direitos humanos, religiões clandestinas, dissidentes democráticos, intelectuais que são celebridades na internet e a classe mais pobre. Isso é no nível doméstico. Em termos de países estrangeiros, o Estado chinês sempre tem os Estados Unidos e outros países democráticos do Ocidente como inimigos.
   
   CC - Existe, na sua opinião, uma dicotomia entre crescimento econômico e direitos humanos? É impossível haver ambos?

[下一页]
blog comments powered by Disqus

©Boxun News Network All Rights Reserved.
所有栏目和文章由作者或专栏管理员整理制作,均不代表博讯立场